Desenvolvedor .NET Sênior – Av. Paulista – São Paulo

Local de Trabalho: Av. Paulista

Horário: De segunda a sexta-feira das 09h às 18h

Regime de contratação: PJ

Tempo de projeto: Indeterminado

Requisitos: Experiência com .NET, C#, PHP, Bootstrap, MVC e SQL Server.

Enviar e-mail [email protected]

Analista de Sistema – São Caetano – SP

EXPERIÊNCIA:
Conhecimento de Padrões Tecnológicos de mercado para coleta de informações, dados e integração
Conhecimento gerais de Ferramentas de desenvolvimento e implementação de soluções de TI
Conhecimento de metodologia de desenvolvimento de sistemas e controle de projetos
Conhecimento gerais de SOA (Service Oriented Archicteture)
Conhecimento gerais PMBok, CMMI e ITIL Java, Cobol e/ ou Visual Age, ErWin, DB2 e/ou SQL Server / Oracle Diagramação UML (sequencia, atividades, caso de uso), escrita de casos de uso e especificações técnicas Modelagem de dados física e lógica utilizando o ErWin

TEMPO DE CONTRATO: Indeterminado

HORÁRIO: Comercial

FORMAÇÃO ACADÊMICA: Superior Completo

OBSERVAÇÕES: Formação superior em tecnologia da informação ou engenharia de software Experiência comprovada com analise de sistemas, modelagem de dados, especificação de casos uso e especificações técnicas

Enviar e-mail com currículo e pretensão salarial para [email protected]

How To Get a Job In Digital Marketing

https://marketcampus.com – Wondering what you can do to land a job in digital marketing? Brandon Hassler explains some tips of how to beef up your resume and standout among the other applicants.

===============================
What Is Market Campus?
===============================
Market Campus is a collection of digital marketing courses designed for startups. We cut through the fluff and get right to what actually works and how you can get quick growth to your company without having to spend a fortune.

LEARN MORE: https://marketcampus.com/

===============================
Follow Market Campus
===============================

• https://instagram.com/market.campus/
• https://twitter.com/marketcampus/
• https://facebook.com/marketcampus/
• https://plus.google.com/+marketcampus/

Como NÃO desistir de ser analista programador

Eu sei! Você está passando por poucas e boas e está quase desistindo (se ainda não desistiu) de ser um programador.

As estatísticas apontam que em média 70% das pessoas desistem nos primeiros anos de faculdade. É difícil aprender, não tem emprego descente, não tem qualidade de vida, … E por aí vai!

Neste vídeo eu falo como NÃO desistir. As ferramentas que você pode usar para conseguir motivação suficiente e achar o seu propósito maior (conto qual é o meu) para vencer essas barreiras.

Entrevistando um Analista Desenvolvedor de Sistemas

Aquela gostosa sensação de estudar quatro anos pra uma carreira que sua família nunca vai entender exatamente o que faz. A parte ruim é que você é conhecido como “menino que mexe com o computador” e geralmente vão achar que o teu lance é instalar impressora. A parte boa é que você vai entender todas as piadas desse vídeo. Eu acho.

Todo o conteúdo deste video é genuinamente idiota.

Profissões: Desenvolvedor de sistemas

O desenvolvedor de sistemas ou programador trabalha com a criação de softwares, aplicativos e monitora redes e sistema digitais. É uma profissão em crescimento e atrai os jovens que gostam de computação.
Na edição Profissões: desenvolvedor de sistemas, Victor Canô conta como conseguiu abrir a própria empresa a partir do trabalho de programação. Hoje ele lidera uma equipe de programadores na criação de anúncios online para o mercado corporativo.

Assista a UNIVESP TV ao vivo, e veja nossa programação completa em http://univesptv.cmais.com.br

Growth Hacking: pensando fora da caixa para acelerar sua empresa

O Growth Hacking é novo aqui no Brasil, mas já é muito comum fora do país. Ele é aplicado por grandes startups do Vale do Silício, o famoso pólo tecnológico nos Estados Unidos, referência mundial em inovação. Mas afinal, o que é o Growth Hacking?

A melhor maneira para entender o que é esta nova posição nas empresas é redefinir o que é um hacker. O termo sempre foi conhecido por estar relacionado a crimes virtuais. Ao contrário dessa crença, o hacker é aquele indivíduo com uma dedicação além do comum em busca do conhecimento. Aquele cara que não sossega enquanto não entender toda e qualquer parte do que se propôs. Cada mínimo detalhe. Seja sistemas, hardwares, ou neste caso especifico, vendas.

Neste contexto, o Growth (do inglês, crescimento) Hacker é um profissional cujo objetivo é fazer crescer o número de usuários de um produto ou serviço. Ou seja, através de uma metodologia testável e escalável, o Growth Hacker alavanca as métricas de conversão.

Growth Hacking x Marketing

Você deve estar se questionando se não estamos falando de um profissional de marketing, certo? Não, não estamos. Enquanto muitas pessoas consideram que o crescimento do número de usuários seja uma função de marketing, encontramos exemplos de produtos que aumentaram as vendas de outras formas.

Há muitas decisões responsáveis pelo crescimento do número de usuário de um determinado produto ou serviço. Por isso, o Growth Hacker tem um papel multifuncional englobando não apenas o marketing, mas o produto, as operações empresariais, finanças e até mesmo os recursos humanos.

A ideia é que a cada decisão que a sua empresa faça o Growth Hacker aborde a seguinte questão: Qual será o impacto desta escolha para o crescimento do seu negócio ou dos consumidores?

Você pode ser um Growth Hacker?

Você teria capacidade de assumir a responsabilidade pelo crescimento de uma unidade de negócios? O Growth Hacker tem como objetivo imediato conectar o seu mercado-alvo com o produto ou serviço do seu negócio. O profissional deve ter a criatividade para descobrir maneiras únicas de condução do crescimento, além de testar e evoluir as técnicas já comprovadas por outras empresas.

Um Growth Hacker também precisa ser disciplinado para seguir um processo de priorização de idéias, testando-as, além de ser analítico o suficiente para saber definir os mecanismos que apresentaram resultados positivos para serem mantidos, repetidos e escaláveis, visando o crescimento do negócio.

A característica essencial de um Growth hacker é a criatividade. Sua mente é a melhor ferramenta de trabalho. Este profissional vai além de estratégias de Adwords ou SEO para a distribuição da informação. Canais tradicionais de marketing, muitas vezes geram um alto custo por aquisição e baixo valor pelo tempo que duram, devido à alta saturação. Em uma época de usuários sociais, a estratégia de crescimento vem do ajuste de um produto ao mercado, elevando as escalas virais pela experiência do consumidor.

Algumas ferramentas utilizadas por um Growth Hacker

  1. Aquisições Virais: Através do compartilhamento de conteúdo dos usuários existentes para os novos;
  2. Aquisições Pagas: Com estratégias de SEM (search engine marketing), Links patrocinados (Google Adwords, Facebook Ads), anúncios na TV, celulares, rádios, marketing de afiliados, dentre outros;
  3. Marketing de Conteúdo (Content Marketing): Através de posts em blogs, infográficos e vídeos virais, aumentam a visibilidade da marca e o tráfego para o site, convertendo visitantes em consumidores;
  4. E-mail Marketing: Estratégia de relacionamento utilizada para conversão de novos consumidores e motivação para gastarem mais com o seu negócio;
  5. SEO (otimização em sites de buscas): Efetivamente utilizado para construir uma infraestrutura escalável aplicáveis a inúmeras páginas, ao invés da seleção tradicional de uma pequena quantidade de palavras-chave.

Em suma, o Growth Hacking é a interseção entre o marketing e o desenvolvimento do produto, fazendo mais com menos. As estratégias são articuladas desde o desenvolvimento do produto e, por isto, levando uma experiência mais agradável ao consumidor que, por sua vez, atrai novos usuários ao viralizá-la.

Agora que você já conheceu o cargo que tem feito a diferença no Vale do Silício é hora de começar a pensar a ser um ou ter um Growth Hacker na sua empresa!

Analista de Desenvolvimento C# – Clear Sale – Barra Funda – SP

Superior completo em cursos relacionados a Tecnologia da Informação.
Desejável Pós Graduação.

Realizar análise e desenvolvimento de sistemas em .Net/C#. Atuar com o levantamento de novas funcionalidades e melhoria das funcionalidades para aplicações existentes.
Necessário vivência na função.
Necessário conhecimento em Asp.Net, C#, MVC, HTML5, Jquery, SQL (Preferencialmente MS SQL).
Desejável conhecimento em WebServices, SOA, XML, Json, WebAPI.

Salário entre R$5.000 a R$7.000 + benefícios (Assistência Médica, Assistência Odontológica, Vale Transporte, Vale Refeição, Auxílio Creche e PLR).

Horário: Segunda à Sexta-feira das 9:00 às 18:00.

Local: Barra Funda – SP (Próximo ao metro)

Acesse o link e cadastre-se https://goo.gl/UwJn3S

Comparativo CLT x PJ

Hoje em dia no mercado de TI (nem só TI, mas TI principalmente), existem várias maneiras de contratação, das quais as mais utilizadas são:

* CLT: Registrado com carteira de trabalho assinada, férias, etc
* PJ: Pessoa Jurídica, na qual o profissional tem que abrir uma empresa e vira um prestador de serviço.

Existem variações da CLT, como a tal de CLT Flex, na qual o funcionário é registrado por um valor menor e recebe o resto legalmente “por fora”. Outra variação é o registro CLT por um valor baixo e recebimento de participação nos lucros na empresa bimestralmente. No meu ponto de vista, estas variações são piadas de mal gosto e nem comento aqui, mas infelizmente essas são as saídas de muitos profissionais que estão ingressando no mercado de trabalho e tem que se “submeter” a tal modalidade.

Em síntese, um profissional registrado como CLT tem todos os direitos previstos na legislação brasileira, tais como: 13, férias, FGTS, etc. Porém ele paga uma alta carga tributária e o valor líquido que ele recebe é menor que o valor bruto, ou seja, o valor registrado em carteira. Um profissional registrado por 4500 reais, recebe aproximadamente 3600 ao final do mês, um desconto de quase mil reais!
Um profissional que presta serviço através de sua empresa (PJ), tem por características pagar menos impostos e ter menos benefícios, portanto, o valor líquido que ele pega em mãos, é muito maior, além disso, as empresas que contratam um profissional PJ, tem um custo muito menos para manter o “funcionário”, portanto, podem pagar mais pelo seu trabalho.

Colocando isso em números para podermos comparar as duas modalidades de contratação, vamos a um exemplo abaixo:

Profissional CLT registrado por 4500 reais.

Profissional PJ com o valor hora de 50 reais calculando um mês de 168 horas. (50 * 168 = 8400) – Este valor hora é de um programador Java Sênior, mas podem haver variações.

Para calcularmos o real salário do funcionário CLT, não basta somente verificar o valor que ele recebe líquido, temos que colocar todos os benefícios na equação, alguns exemplos são:

3600 – Valor líquido ao fim do mês
400 – INSS (este valor retorna algum dia na aposentadoria)
300 – 13 (valor do 13 dividido por 12)
300 – 14 (algumas empresas tem 14/Participação nos lucros, é a mesma conta que para o 13)
1000 – Plano de saúde executivo familiar (profissional + esposa + filhos – eu cotei o melhor plano da Amil)
250 – Ticket refeição
250 – Vale transporte

Os benefícios variam de empresa para empresa, então esta conta é bem pessoal, citado acima alguns exemplos comuns, baseado nestes exemplos, podemos dizer que o salario do profissional CLT é então:

3600 + 2500 = 6100

Agora, calculando o valor do profissional PJ, temos 50 * 168 = 8400.

Os valores do CLT e do PJ podem variar com adição de horas extras, mas NUNCA se deve levar em consideração este fator, visto que é algo que pode não existir.

Em cima do valor de 8400, o profissional PJ vai pagar aproximadamente 15% de impostos/escritório/etc, é um valor alto, mas a média é entre 10 a 15% mesmo, para fazermos estas contas, sempre devemos chutar alto.

Descontados os 15%, o PJ tem ao final do mês 7140 reais na mão. Agora veja que o PJ não tem NENHUM dos benefícios do CLT, então este valor dos benefícios deve ser descontado do PJ:
7140 – 2500(benefícios do CLT) = 4640

Agora destes 4640, desconta-se o salário líquido do CLT (3600), que vai dar uma diferença de 1040.

Concluindo:

Existem ‘N’ fatores que podem entrar nesta equação, o CLT pode ter mais ou menos benefícios, o PJ pode ter algum benefício também, porém em geral, O CLT tem que considerar que tem férias, licenças (maternidade, doença, seguro desemprego, etc)FGTS, etc.. enquanto o PJ não tem NADA disso, se ele quiser o benefício, vai ter que pagar de seu próprio bolso.

Outro fator que muitas pessoas consideram é a estabilidade do CLT. Para uma empresa mandar um profissional PJ “embora”, é muito mais prático e não tem custo algum, no máximo tem um contrato assinado que normalmente dá até este direito para a empresa, ai o PJ vai embora sem receber nada! Para mandar um CLT para a rua, é caro! Uma empresa sempre vai preferir mandar o PJ para a rua! Eu não levaria em consideração este fator na área de TI se você for um bom profissional (bom CV, falar inglês, etc), pois o mercado é aquecido e não faltam vagas.

O PJ normalmente não tem plano de carreira, o CLT costuma ter. Algumas empresas também pagam cursos para os profissionais CLT, e isso tem seu valor e tem que entrar na conta.

Por outro lado, o PJ pode trabalhar muito, fazer horas extras irreais, e recebera por isso, um CLT, esta limitado legalmente em seu numero de horas (40 horas mês).

Para abrir uma empresa para prestar serviço como PJ, você vai ter um custo, e para fechar a empresa vai ter um custo maior ainda, o CLT não tem custo algum (só o da foto 3×4 :-)).

Se um PJ falta do trabalho, o problema é dele, até com atestado médico, e não vai receber por isso, então ele não pode nem pensar em ficar doente! Se o CLT falta, com atestado, ele recebe normalmente, se fica doente, tem amparo legal!

Legalmente, uma empresa (PJ) deve gastar o lucro da empresa com A empresa, o que a maioria das pessoas faz é simplesmente pegar esse dinheiro e torrar com gastos pessoais, casas, carros, etc. Se a empresa cai em um pente fino da Receita Federal, irá pagar uma multa sobre tudo que não for comprovado como gasto da empresa PJ, ou seja, sobre TODA sua retirada! Tenho amigos que cairam nessa e demoraram mais que 5 anos para se “levantar” financeiramente.

Agora, se perguntarem qual minha preferencia, eu digo categoricamente: CLT.

O valor PJ tem que ser muito alto para justificar uma migração para o mesmo. Tem que dar dinheiro para pagar todos os benefícios do CLT e sobrar. As vezes as pessoas só olham o valor direto que o PJ rende e não olham os outros valores que o CLT propicia e caem em ilusões!

Ao analisar uma proposta, coloque TODOS os fatores na ponta do lápis e não tome uma decisão precipitada.

Texto do Juliano Marcos Martins para o site APInfo

Definição de Full-Stack Developer

Full stack web developer é um perfil de desenvolvedor que consegue trabalhar não somente com programação, pois compreende de forma razoável uma porção de outras tecnologias envolvidas em um sistema: banco de dados, infra-estrutura, sistema operacional, servidor web, CSS/HTML (conforme ilustração do @bvafaretto).

Estes profissionais conseguem solucionar uma grande gama de problemas deste “stack” todo e, quando precisam de ajuda, precisam de pouca instrução de um profissional especialista na referida tecnologia para conseguirem prosseguir. O conjunto todo é chamado de “stack”, pois se trata de uma “pilha” de tecnologias (pense nas tecnologias do servidor embaixo, e as do cliente em cima). Então “full-stack” é aquele desenvolvedor que lida com todas as camadas da pilha, e não só com uma parte delas.

Full Stack Web Developer

Ao contrário do que é pensado, não é preciso ser uma desenvolvedor experiente para considerar-se “full stack”. Isto pode ocorrer perfeitamente nos primeiros anos do profissional, basta o mesmo ter contato com estas diferentes tecnologias, o que normalmente ocorre em empresas menores (onde nem sempre há um profissional disponível para cada tecnologia) ou empresas que estimulam este tipo de situação (arrisco dizer que seja a maioria das que trabalham com alguma metodologia ágil).

 

Analista Desenvolvedor .NET Sênior – Barueri

Oportunidade para atuar na região de Barueri em empresa de tecnologia com foco em desenvolvimento, manutenções, melhorias e novos módulos.

Importante Inglês Avançado

Interessados encaminhar curriculo com pretensão salarial para o e-mail [email protected]

Github: o novo curriculum do programador

Cada vez mais, conversando com amigos de empresas que buscam contratar programadores, uma coisa é consenso: em todas as entrevistas a pergunta “Você tem GitHub?” é cada vez mais frequente e unânime.

Mas por que tudo isso? Porque hoje, muitas empresas buscam avaliar o programador pelas suas realizações.

E isso é ótimo! Sabe por que? Porque o GitHub permite que você, mesmo sem experiência de mercado, possa mostrar a qualidade do código que produz. Sabe aquela velha queixa dos recém-formados que buscam uma colocação no mercado e as empresas pedem programadores com experiência prévia? Então isso pode estar com os dias contados.

Para quem não conhece, o GitHub é um repositório de códigos que funciona como um servidor de versões e que ainda é uma rede social de programadores. Sim, uma rede social na qual suas postagens são: programas! E você pode seguir projetos, clonar projetos para seu repositório local (seu HD) e fazer suas próprias modificações. E com isso, seu futuro avaliador em uma entrevista de emprego irá avaliá-lo, não pelo curriculum que você entregou, mas pelo seu histórico como programador.

Para você que ainda não criou sua conta no GitHub e está procurando um emprego, crie-a hoje! Não espere. E coloque todos os seus códigos lá, todos os seus projetos, mesmo os acadêmicos!

Mas e se aí você me perguntar: “pôxa Isidro, mas meus códigos estão muito ruins, devo colocá-los mesmo assim?”. Aí vou te responder: depende do quanto você quer convencer seu entrevistador. Se seu código não está lá aquelas maravilhas na sua visão, que tal “dar um tapa” nele, estudar melhor boas práticas, correr um pouco atrás de se atualizar em relação aos padrões de projetos, organizar seus pacotes, melhorar a legibilidade de seu código? Pronto para se mexer?

O que quero provocar em vocês, meus caros alunos é a necessidade de estarem antenados ao que o mercado tem notado e dado importância.

Conhecer uma ferramenta de controle de versões é fundamental para se trabalhar em equipe. O GitHub permite isso, além de uma série de outras integrações com outras ferramentas. E ainda mais é que você pode (e deve) mostrar todo seu potencial para a galera.

Se quiser saber mais, dá uma olhada nesses links aqui

http://www.github.com

https://help.github.com/ que vai te dar o step-by-step pra começar a trabalhar com ele.

Pense nisso! E #vamosprogramar!

Artigo do Professor Isidro para a Abraweb